Este espaço foi pensado para divulgar e discutir a Cidade de Ipu/CE de uma forma bem espontânea, através de crônicas, causos, versos, além de opiniões e comentários diversos, tanto do autor, quanto dos nossos visitantes. O blog IPU EM CRÔNICAS E VERSOS, embora com muita humildade, busca também promover as peculiaridades do Nordeste através do cordel, uma das expressões mais originais de nossa cultura. Sejam todos bem-vindos! (Ricardo Aragão)


25 de agosto de 2008

ABÍLIO MARTINS

.
Por Antonio Vitorino






Com muito orgulho, usarei este espaço para falar um pouco de meu bisavô, Abílio Martins. O texto abaixo, foi escrito pelo historiador Antônio Vitorino, companheiro do Grupo Outra História, baseado em informações cedidas por minha mãe, Celininha. Eis, pois, um breve histórico de quem foi o Dr. Abílio Martins:



Abílio Martins nasceu em Ipu no dia 21 de novembro de 1883. Filho do coronel Antônio Manoel Martins - fazendeiro e grande comerciante, possuindo estabelecimentos comerciais nos estados do Ceará, Piauí e Pará - e de Adelaide Timbó, Abílio freqüentou três anos do curso de medicina em Recife. Depois disso foi para o Rio de Janeiro, onde bacharelou-se em Ciências Jurídicas e sociais.

De acordo com o almanaque de 1961, Abílio Martins não abraçou “com amor a causa que lhe deu o pergaminho”. Ainda segundo o citado Almanaque Abílio gostava do jornalismo, “sendo bom poeta, prosador e dramaturgo” .Abílio escrevia para jornais de fortaleza e fundou no município de Ipu juntamente com Thomaz de Aquino Correia e Eusébio de Sousa, o Correio do Norte, o mais importante periódico fundado na Terra de Iracema e de circulação mais demorada (1918 – 1924).

Teve carreira política regular. Foi deputado estadual por duas legislaturas e depois chefe de polícia e segurança pública do Estado do Ceará no governo de Justiniano de Serpa (1920 – 1923). Em fins da década de 1920 aparece como chefe político e nome mais influente do Partido Democrata de Ipu. Como deputado apresentou em 1913, na assembléia Legislativa, um projeto, sendo aprovado, que autorizava a contratação de serviço de canalização de água da cidade.

Foram obras federais conseguidas por intermédio de Abílio Martins para o município de Ipu durante a seca de 1919, a construção do Açude Bonito e da Estrada Ipu-São Benedito.

Abílio Martins faleceu em 26 de setembro de 1923 de uma síncope cardíaca, quando exercia o cargo de Chefe de Polícia do Estado, aos 39 anos de idade.

No mesmo ano de sua morte, Ipu prestou-lhe homenagem, dando o seu nome à sua praça principal e a Estação Ferroviária da então localidade de Curupatí, que, também, veio mais tarde a denominar-se Abílio Martins. Seu nome também aparece numa rua do bairro da Parquelância, em Fortaleza.

Abílio Martins casou-se com Celina Carvalho Martins com quem teve cinco filhos: José Carvalho Martins que era bioquímico no rio de Janeiro tendo falecido no ano de 2000; Francelina Martins Araújo, viúva do ipuense Dr. Francisco Araújo; Adelaide Carvalho Martins, falecida aos 18 anos de idade; Antônio Carvalho Martins, funcionário público federal, falecido em 1992 e Guarany Carvalho Martins, contabilista, falecido em 1999.

Membro da Associação 7 de Setembro. É tido como o fundador do Gabinete de Leitura Ipuense, cujo idealizador foi Chagas Pinto. Passou a ser sócio honorário do Gabinete. Não aparece como membro das outras associações provavelmente por sua morte prematura em 1923.

Abílio Martins foi um dos líderes do partido democrata no município que deu suporte à candidatura em 1920 de Justiniano de Serpa, candidato situacionista. Foi por intermédio do jogo político que Abílio Martins junto com seus correligionários, que gozavam de prestígio junto ao governo do Estado, conseguiram a liberação de obras contra a seca para a cidade de Ipu.



Dados Biográficos extraídos em parte de “Dados Biográficos do Dr. Abílio Martins” cedido por Maria Francelina Martins Aragão, esposa de Antônio Tarcízio Aragão (Boris), neta de Abílio Martins.




Redação:
Antonio Vitorino
(Grupo Outra História)


Informações e Pesquisa:
Maria Francelina Martins Aragão
(Celininha)


Edição:
Ricardo Aragão



.

6 comentários:

Abílio Lourenço Martins disse...

Curioso.

Alguns fatos da história do nosso avô, eu não conhecia.

Parabéns.
Abilio

Francisco Aragão Neto disse...

Ricardo meu amigo, pense numa felicidade grande quando abri o seu blog e vi foto de meu grande amigo, Antonio Martins, se vc não sabe , recebia o nobre amigo quase que todos os dias no banco(BANFORT), para prestarmos contas dos livros que ele me entregava para vender aos clientes, e pode ter certeza vendi bastante, todo cliente que vinha ao banco e passava por minha mesa ,não tinha perigo de sair sem levar um exemplar desse maravilhoso escritor, e era a melhor venda pois todos os que adqueriam falavam maravilhas das histórias ali contadas, e eram maravilhosas mesmo, engraçadas demais, é uma pena que emprestei os meus e não recebi de volta, espero que o amigo possa publicar seus contos no seu blog para poder desfrutar novamente da deliciosa leitura.
Gostei também de ler a biografia do Dr. Abilio Martins, tem uma passagem muito engraçada do Dr. Abilio e Meu avô, Chico Aragão, vovô estava parado na pça do Ferreira lendo os titulos dos filmes que estavam passando, quando foi avistado pelo Dr. Abilio, muito brincalhão como era, e sendo secretario de policia, resolveu pregar uma peça no seu chico, chamou dois policiais civis, e os ordenou que o prendessem, não era para dizer o motivo nen tão pouco maltrata-lo, somente segurarem no braço e levarem para secretaria de policia e o trancarem numa cela., e assim foi feito levaram seu chico para secretaria e o prenderam, pense num desespero grande, um cabra com a posição dele, tabelião do Ipu, ser preso sem cometer nenhum crime, e durante o percurso ela argumentava com os policias e dizia, me soltem rapaz, vcs não sabem com quem estão falando, sou muito amigo do secretario, é meu conterrânio lá do Ipu, me soltem logo que vai ser melhor prá vcs. E de longe tudo era acompanhado pelo Dr. Abilio, que se divertia com toda esta cena.Passada mais ou menos 2 horas o Dr. Abilio adentra a secretaria, e colocando-se numa posição extrategica, onde seu Chico Aragão o pudesse ver, e começou a falar com pessoas no intuito que meu avô pudesse escutar sua fala, até que seu objetivo foi alcançado, e seu chico aos gritos dizia, ei Abilio Olha o que fizeram comigo, me trancaram aqui sem nenhum motivo, já pensou a minha reputação lá no Ipu quando eu chegar, isso é uma coisa inaceitavel e gritava, e gritava, até que o Dr. Abilio viu que a coisa estava ficando feia e mandou solta-lo imediatamente, e explicou o motivo da brincadeira .Em seguida sairam dando risadas e foram tomar um cafezinho.
Um grande abraço.

Abílio Lourenço Martins disse...

O teu blog está muito bom: cores harmoniosas, ótimo conteúdo e belas fotos.
Mais uma vez, parabéns.

Abilio

Dalinha Catunda disse...

Ricardo,
Avivar a memória presente, buscar os ícones no passado, apresentá-los as novas gerações é um trabalho louvável. Os espelhos antigos são obras especiais onde devemos sem medo nos mirar.
Você é um ótimo fruto de árvores especiais.
Um abraço
Dalinha Catunda.

Deinha disse...

Amigo Ricardo!
Gostei bastante do blog, porque não dizer que está simplismente a sua cara?
Graças a Deus que há em nossa cidade pessoas preocupadas com o futuro dela, seja no aspecto saúde,educação,cultura,turismo...e você é um abençoado por ser de uma família tradicional e de bons principios o que a fizeram este homem ÍMPAR.
Parabéns e sucesso em sua jornada.
Continue assim e qualquer coisa...estou ao seu lado.
Andréa Marinho

Raimundo Mesquita disse...

Prezado Ricardo Martins.

Mais uma vez você está de parabéns pela criação deste excelente espaço, nos oferecendo a possibilidade de visitar e matar as saudades da terra querida.
Seu Blog está muito bem elaborado,
com opções diversas.

Com o abraço do amigo.

Raimundo Mesquita
Brasília - DF