Este espaço foi pensado para divulgar e discutir a Cidade de Ipu/CE de uma forma bem espontânea, através de crônicas, causos, versos, além de opiniões e comentários diversos, tanto do autor, quanto dos nossos visitantes. O blog IPU EM CRÔNICAS E VERSOS, embora com muita humildade, busca também promover as peculiaridades do Nordeste através do cordel, uma das expressões mais originais de nossa cultura. Sejam todos bem-vindos! (Ricardo Aragão)


12 de março de 2010

COM A MORTE NÃO SE BRINCA

.

... NEM COM A DALINHA CATUNDA








“Passei minha vida inteira
Sem lembrar do meu caixão.
Eis-me agora impassível,
Híspido, fincado no chão.
Só espero que na vida
Que deixou de ser vivida,
Eu tenha sido um bom irmão!”
(Ricardo Aragão)


Ao escrever estes versos,
Sem nenhuma pretensão,
Nem sequer imaginei
Causar qualquer confusão.
Pois num é que a Dalinha
Escreveu-me algumas linhas
Pensando ser depressão!

Quem dera fosse só isso
Todo o seu argumento!
Mas era só o começo
De um enorme tormento:
“Bate na boca, safado.
Fela da mãe, abestado...
Pede perdão, seu jumento!”

Mal eu lia a mensagem,
Já chegava outro recado.
Era a Dalinha de novo,
Toda cheia de cuidado:
“Levante logo a cabeça
Vamos ver, me obedeça!”
Disse Dalinha ao Ricardo.

Dessa vez quase morri,
Mas de tanto gargalhar!
Imaginando a Dalinha,
Lá do Rio a me animar,
Sem saber que era trote,
Tirando onda com a morte
Antes da malvada chegar.

Em todo caso, foi legal
Toda essa brincadeira.
Pois além de preparar
A palavra derradeira,
Tirei de tempo a Dalinha,
Mas vou já ficar na minha,
Pois já vem a saideira.

Encerro logo estes versos,
Levando grande lição:
Com a morte não se brinca.
Com a Dalinha também não.
Por isso, me despedindo,
À madrinha vou pedindo
Sua bênção e seu perdão.




Ricardo Aragão
Ipu(CE), Mar/2010


.

8 comentários:

Paula Aragão disse...

Primo, que perfeição!
Adorei!!!

Dalinha Catunda disse...

Olá Ricardo,

Ricardo eu não queria
Lhe passar nenhum carão.
Mas confesso fui obrigada,
Diante de tal situação
Mas eu podia ter pensado:
Isto é coisa de safado,
e da raça dos Aragão!
Um abraço,
Dalinha

Airton Soares - "AS" disse...

Nesta brincadeira séria
De Epitáfio, meu bom irmão
Salpicada de pilhéria
Pensei diante mão:
somos super-“bactéria”
a espera de um caixão.

E neste mundo de mistério
de aparente contradição
onde tudo é deletério
de dinheiro e sedução
o cosmo pra lá sério
todo dia nos dá lição!

Por isso me acalma
a lição do “vai-e-vem”...
Quanto mais minha alma
viaja, mais ela se dá bem!

grande abraço. Seu cordel esstá arretado de bom. Parabéns!

Talita Martins disse...

Ahhh..
Agora sim1
Tá perdoado! ;)

Rosário Pinto disse...

Olá Ricardo Aragão,
Seu blog é muito interessante e bonito e, agradeço os comentários feitos para o CORDEL DE SAIA:

Cordel de Saia agradece
Por nos parabenizar
Aragão, grande poeta
Sabe como estimular
Rainha! é elogio
Só queremos trabalhar

Abraços,
Rosário

Maria Celina disse...

Concordo perfeitamente com a Dalinha, quando você me mostrou aqueles versos horríveis também repudiei. Ainda bem que você escuta a Dalinha (e obedece sua madrinha)COM A MORTE NÃO SE BRINCA MEEEEEEEESMO!!!! Bju meu irmão!!!

Dalinha Catunda disse...

Isso mesmo Maria Celina, da duro nele!!
Estou pensando que foi uma jogada Marketing para atrair leitores.
Daqui a pouco se candidata a político...
Um abraço,
Dalinha

Ricardo Aragão disse...

NOUTRA VIDA, QUEM SABE?

Ricardo Aragão na política?
Só em outra encarnação!
Enquanto faltar a ética
Não me queira nisso não.
Pois se o voto é vendido
Não quero saber de partido,
Sai pra lá, corrupção!

Prefiro ficar na minha,
Como ipuense cidadão.
Observando as coisas
Com clareza e atenção.
E quanto a hora chegar
Pra escolher e votar,
Não eleger um ladrão.


Ricardo Aragão
Março, 2010