Este espaço foi pensado para divulgar e discutir a Cidade de Ipu/CE de uma forma bem espontânea, através de crônicas, causos, versos, além de opiniões e comentários diversos, tanto do autor, quanto dos nossos visitantes. O blog IPU EM CRÔNICAS E VERSOS, embora com muita humildade, busca também promover as peculiaridades do Nordeste através do cordel, uma das expressões mais originais de nossa cultura. Sejam todos bem-vindos! (Ricardo Aragão)


17 de agosto de 2008

TENHO QUE ACREDITAR !!!

.
.
Como as coisas mudaram!

Como as pessoas mudaram!

Como os valores mudaram!

Lembro que nos bons tempos de criança, era tradição pedir a bênção dos pais ao deitar e ao acordar; tanto quanto pedir um conselho e acatar suas determinações.

Na rua, as pessoas se cumprimentavam, davam Boas Tardes, Bons Dias e Boas Noites umas às outras! Pedia-se Licença... Desculpas... Por favor...

Ah, como mudou! Tudo mudou!

Hoje, vemos uma geração alheia a valores essenciais à boa convivência. Vemos jovens com pavor a um tele-jornal, revistas, livros... Maltratando nossa belíssima Língua Portuguesa... Não estando nem aí pra política, sem sequer se darem conta de que estão tratando dos destinos de suas próprias vidas... Enfim.

Caretice, tio! Disse-me, certa feita, um desses jovens.

Tio?!? Tudo bem, estou envelhecendo. Mas sempre buscando praticar os valores que outrora recebi de meus pais, que lhes foram ensinados pelos meus avós, e estes pelos seus antepassados... etc, etc, etc. Valores estes que pretendo passar aos meus filhos e sobrinhos, numa incessante luta em prol da manutenção da boa educação, da ética, do respeito às pessoas, às tradições, aos princípios básicos que norteiam os relacionamentos humanos. E não é difícil, basta cada um fazer sua parte.

Nestes tempos de Internet, o “Copia e Cola” tirou desta geração a oportunidade de buscar nos livros, os assuntos da pesquisa, onde se lia o teor dos textos, exercitando a capacidade de interpretação, prática fundamental para o desenvolvimento do senso crítico, do discernimento e do poder de avaliação.

Ah que saudade do tempo em que “Página” se pegava com as próprias mãos, se folheava e até se rabiscava e rasgava. Hoje, vemos nas “páginas” do Orkut, MSN, Fóruns, textos cada vez mais incompreensíveis, cujas formas transcendem qualquer limite do vernáculo e até da linguagem coloquial. E tudo isso, tem transformado nossos jovens, cada vez mais, em alienados e deixando-os mais próximos de um futuro caótico e não menos insano.

Meu Deus, e o que será do futuro?!?

As cadeiras nas calçadas foram substituídas por mesas de bares; as conversas sadias, por gritos ao pé d’ouvido, ante à ensurdecedora zoada dos “paredões” de som, tocando músicas...

MÚSICAS? Baixarias quase sempre libertinas em rimas paupérrimas não podem ser consideradas MÚSICA.

MAIS RESPEITO À MÚSICA, POR FAVOR!

A propósito, há pouco tempo, “Paredão” era também conhecido como “Oitão”, parede lateral dos velhos e saudosos casarões.

... Ah, que saudade dos casarões!

Hoje vemos um assassinato em cada PAREDÃO derrubado dos casarões. Aliás, abriu-se a “temporada de caça” aos Casarões do Ipu. Não acreditei quando vi o mais bonito dos casarões de minha cidade em pedaços. Que tristeza senti em ver que a volúpia capitalista dominou até as consciências das famílias e o senso de preservação de sua própria História!

Desiludo-me quando vejo toda esta CONSPIRAÇÃO contra a História, a Cultura, os Valores.

Conspiração SIM, pois até o conceito de herói mudou de uns tempos pra cá! Imagine!

Antes havia o Zorro, Durango Kid, Super Homem, Batman...

E hoje?!? Afinal, quem são os heróis de hoje para os nossos jovens? Quem mostra poder através dos PAREDÕES? Através dos abusos e infrações às leis e às pessoas? Àqueles que, por meio do medo, reprimem, impõem, dominam? Ou quem, pela força do dinheiro, suborna, alicia, corrompe?

Afinal, temos heróis ou BANDIDOS?

Fico triste em ver uma sociedade corroída pela hipocrisia, pela covardia e pelo medo.

CHEGA!

Não é este o futuro que projetei para mim e para meus filhos. Não são estes os valores que aprendi com meus pais e que ao longo da história, vêm sendo transferidos por gerações. Tá tudo errado!

Ou seria... TÁ TUDO DOMINADO ?!?

Honestamente, não nasci pra ser enxotado de minha própria terra; pra ser subjugado e oprimido por falsos heróis, ainda mais por SALTEADORES; pra aceitar, CALADO, os constantes desrespeitos à minha cidade e ao meu povo; como também aos verdadeiros e sagrados valores de família, como o RESPEITO, a DIGNIDADE, a HONRADEZ, a HONESTIDADE...

Francamente, não nasci pra ser submetido à arrogância e à opressão de quem se acha DONO DO MUNDO, mesmo que por meio da força e do vil metal; pra ser gerido por absolutistas tiranos, muito menos para legitimar seu poder através do voto. Do meu voto?! JAMAIS!

Então eu sonho...

Ah, que bom seria se as pessoas de minha bela e querida Terra de Iracema se insurgissem contra a tirania! Contra opressão! Contra o medo!... Ah, que bom seria!

Mas o sonho é uma forma de viver aquilo que esperamos um dia realizar. Por isto eu sonho! Acreditando!

E em devaneios, imagino até uma sociedade representada por legítimos defensores da ética, do respeito, da honestidade.

Vislumbro meu povo questionando sobre o que é melhor pra si; sobre quem melhor poderia representá-lo e até sobre quem seria um verdadeiro herói.

Neste sonho, imagino a juventude interessada em FAZER um mundo melhor e mais digno pra ser vivido por ela. Vejo Jovens críticos, preocupados A QUEM entregar o poder que conduzirá parte de sua vida e de seu meio.

Talvez sejam apenas quimeras tais aspirações, mas TENHO QUE ACREDITAR NO SER HUMANO e na sua capacidade de mudar o próprio destino.

EU CREIO que, ao final, não terá sido em vão. Não terá sido apenas um sonho.

Tenho que acreditar que VAI DAR TUDO CERTO!



Ricardo Aragão
01.08.2008
.
.

3 comentários:

JULENIO BRAGA disse...

É ISSO MESMO , MEU AMIGO ! A CIDADE É LUGAR ONDE VIVEMOS, NOSSO LOCUS... CUIDEMOS DELA E DE NÓS ESTAREMOS CUIDANDO... PARABÉNS PELO BLOG !!!

Dalinha Catunda disse...

Ricardo,
Seu texto fala do Ipu, mas se aplicaria a qualquer cidade do interior.
A falta de consideração com a história, com as tradições do lugar é uma verdade que se alastra como fogo no roçado.
Eu vejo nossas árvores sumindo, como o ficus, a carnaubeira, as velhas algarobas e dizem, que é o progresso, que foi o lacerdinha. E se danam a rearborizar a cidade com árvores que não fazem parte de nossa flora.
Saudades do oitão das velhas casas, das calçadas cheias, com bacias de feijão e milho, entre uma debulhada e outra as advinhações, história de trancoso e por ai vai.
Parabéns por resgatar esses valores e parabéns pelo blog.
Dalinha Catunda

Wellington Bandeira (Icó) disse...

Parabéns Ricardo!
Excelente texto. Graças ao Grande Arquiteto do Universo, tenho três filhos e estou conseguindo educá-los à maneira como fui educado por meus pais. Concordo plenamente quando você diz que os adolescentes de hoje não respeitam os mais velhos, não dão valor às coisas boas da vida e nos tratam com desdém.Quanto às cidades também mudaram todas e para pior. Hoje não se vê crianças brincando de pega-pega, bola de gude, futebol na praça etc. as crianças nascem e com dois anos já estão nos vídeos games e computadores. Nós pais somos culpados, porém as escolas e a televisão deveriam nos ajudar a resgatar esses valores,com programas infantis dignos e educativos, com menos sexos na televisão e mais amor, carinho e compreensão.