Este espaço foi pensado para divulgar e discutir a Cidade de Ipu/CE de uma forma bem espontânea, através de crônicas, causos, versos, além de opiniões e comentários diversos, tanto do autor, quanto dos nossos visitantes. O blog IPU EM CRÔNICAS E VERSOS, embora com muita humildade, busca também promover as peculiaridades do Nordeste através do cordel, uma das expressões mais originais de nossa cultura. Sejam todos bem-vindos! (Ricardo Aragão)


17 de agosto de 2008

SEJA DONO DO SEU DESTINO

.
.

O exercício da cidadania é a forma mais simples para se conquistar a plenitude de nossos direitos, com respeito e acatamento aos das outras pessoas.

No desejo de se conquistar tais direitos, muitas pessoas, sobretudo às que detém algum tipo de poder, se vêem superiores às demais e, indistintamente, extrapolam os limites da democracia e do próprio bom senso.

A democracia, sistema de governo emanado do povo, exercido pelo povo e em prol do povo, se mostra a maneira mais igualitária de distribuição de direitos e deveres. Porém muitos a ferem como se pelo poder, tivessem autoridade para desmoronar os pilares sagrados do respeito às demais pessoas.

O ápice do exercício democrático se dá na hora do voto. Aquele momento sublime onde o POVO, de forma livre e espontânea, diz quem deve governá-lo e administrar seus próprios interesses.

Contudo, não se verifica a verdadeira democracia quando se tem um povo subjugado e, tal qual nos regimes autoritários, sujeito às vontades e caprichos de governantes inescrupulosos e sedentos de poder a qualquer custo.

Um povo que, embora vivendo em plena democracia, tenha um governante dominador, repressor e autoritário, cujas vontades prevalecem sobre às dos legítimos representados, não pode dizer que vive em um estado democrático de direito. Pois não há democracia sem liberdade; sem vontade própria; sem uma VERDADEIRA JUSTIÇA; sem a palavra final do próprio povo e, principalmente, com medo constante de se sofrer perseguições e ameaças;

Este pobre povo, sofrido e reduzido à condição de gado, como se em currais vivesse, sob as rédeas tiranas e malvadas de um maquiavélico mandatário e de capatazes insanos e cruéis, cujos chicotes e bridões destroem os mais simples e dignos sentimentos, merece, de fato, sentir o gosto da verdadeira democracia; sentir-se valorizado, respeitado, honrado; sentir-se o verdadeiro dono do poder, como de fato o é. Merece, principalmente, se livrar da tirania, da opressão, da maldade e do absolutismo dos que o trata como gado, tangendo, perseguindo, maltratando.

Mas para se chegar à doce realidade que tanto merece este povo, necessário se faz um momento de reflexão, onde cada um, olhando pra dentro de si, se pergunta:

- Por que tenho medo daquele que coloquei no poder para me representar?

- Por que tenho receio de sofrer perseguições, como se ainda vivesse em pleno regime feudal da idade média?

- Será que mereço ser tratado como gado, sendo tangido de um lado para o outro sem vontade própria?

- Por que não dou o rumo que mereço para minha própria vida, se o regime democrático no qual vivo me proporciona isto?

A tantos questionamentos, muitas respostas hão de vir, entre elas a constatação:

- Tenho que fazer algo para mudar minha realidade e, assim, poder mostrar ao meu filho, a forma correta e digna de levar adiante nossas próprias vidas, dando a ele a oportunidade de um mundo mais justo e melhor de se viver.

- Começarei escolhendo de forma sensata, livre e espontânea, aqueles que devem representar nossas vontades e anseios. Representantes de um poder emanado de mim e de meu povo, para o bem-comum de todos nós e não para a satisfação egoísta de poucos.

- Devo escolher um representante imbuído da mesma vontade que tenho de mudar uma realidade; de me dar a exata sensação do que é viver uma verdadeira democracia. Devo escolher um mandatário que me tire da escuridão da tirania; que me faça NÃO TER MEDO; que me guie num novo horizonte; que me traga a esperança de tempos melhores! Um verdadeiro representante dos interesses de todo um povo e não apenas de meia dúzia de beneficiários que vedam os olhos para as vontades de toda uma coletividade em prol de seus próprios interesses.

A este povo que tanto anseia mudar para uma vida melhor, resta buscar em si as razões e desejos de mudança e, simplesmente, AGIR. Ações críticas, prudentes, responsáveis e, acima de tudo, conscientes.

A consciência crítica em detrimento do senso-comum é a grande arma desse povo para atingir seus objetivos e sua redenção como verdadeiro DONO DO PODER.

Ricardo Aragão
27.07.2008
.
.

Um comentário:

Dalinha Catunda disse...

Ricardo, parabéns pela elegância com que voce aborda um tema tão delicado.

Todo patrão quando deseja um empregado,pede uma carta de referência, quer todas as informações possíveis e imaginárias sobre aquele candidato a empregado.E nós, ELEITORES, que empregamos, vereadores, prefeitos, deputados, senadores e presidentes, deveríamos ter o mesmo cuidado. E não ter acanhamento no cobrar. Alguém já disse que: "todo povo tem o governo que merece"
Dalinha Catunda